Pelotas e as Mudanças Climáticas

Um dos temas que compõem o cardápio de debate internacional é que trata, sem dúvida, dos efeitos dos gases de Efeito Estufa (GEE) no aumento intensivo da temperatura do planeta. Como consequência, o estudo de alternativas ao modelo de desenvolvimento em vigor e responsável por essa crise adqui8re enorme necessidade. O objetivo destas rápidas é de dialogar acerca do papel que a cidade de Pelotas ocupa nesse cenário e o que se pode fazer de contribuição positiva para a diminuição dos GEEs.Diversos pontos devem ser priorizados numa futura (que não deve demorar) que resulte na Política Municipal de Mudanças Climáticas. O primeiro deles diz respeito ao tratamento dos resíduos sólidos (lixo). Uma ação mais sistêmica precisa ser empreendida em Pelotas, pois terá efeitos na geração de empregos e na valorização da categoria de catadores, charreteiros e carroceiros, os quais já prestam um serviço à comunidade sem receber nenhuma remuneração. Cada tonelada de lixo que for coletada de forma separada e tiver um destino que seja a reutilização ou reciclagem, está-se poupando o uso de recursos naturais para novos produtos, como no caso do alumínio e do plástico. Isso tem um efeito direto na diminuição da emissão de gases, desde a não destruição de florestas e no que se poupa de energia e água caso não houvesse a o processo de seleção. Além disso, o envio de resíduos para o aterro (em muitas cidades são lixões a céu aberto) que seja liberado um dos gases mais danosos para o aquecimento, que é o metano. Assim, a coleta seletiva deve ser adotada em Pelotas nos próximos 5 anos como a regra geral no tratamento de resíduos, sob pena de a cidade ficar no final da fila dos bons exemplos.Uma outra ação deve ser encaminhada ao setor de transportes. Primeiramente consolidando uma política para o uso da bicicleta e de respeito aos seus usuários, já que essa é uma caraterística própria de Pelotas: ruas planas e milhares de usuários e em especial para uso no trajeto casa-trabalho. A cidade reúne todas as condições para proporcionar uma melhor logística nessa área. Outro aspecto deve ser um plano de metas que preveja um aumento substancial no número de usuários de transporte coletivo, seja com novos percursos, seja com aumento da frota e na melhoria dos carros, de forma a atrair um contingente maior. Além disso, o biodiesel entra como um novo alento á diminuição das emissões no transporte coletivo. Nesse tema também destaca-se a contribuição do automóvel particular de uso à alcool em relação à gasolina. A relação de emissões de gases de efeito estufa é de 1 (alcool) para 50 (gasolina). Não é preciso mais palavras pra dizer da vantagem do álcool nesse caso.Um outro setor que terá um lugar central nesse cenário será o da construção civil. Pensar situações em que o ar condicionado seja ligado poucas vezes a partir de construções inteligentes em relação á luz, calor e ventilação. Regrar na cidade, com ampla discussão social, a necessidade de que qualquer obra nova tenha de dispor de captação de energia solar nem que seja para o aquecimento interno e da água, a fim de diminuir o uso da rede e que possa haver compensação inclusive financeira, se esse for o entendimento. Deve-se pensar na situação em que o uso da água para fins físicos (descarga no banheiro) em que a potabilidade não seja necessária, tenha como regra a utilização de equipamentos que utilizem menos água, pois um simples uso no banheiro de uma casa (hoje é a regra) pode consumir 20 litros de água. Essa mesma água recebeu investimentos para que fosse tratada e foi necessária energia para ser levada até a residência. Por isso, cada litro economizado tem impacto ambiental e na economia do uso de energia.Ainda se pode falar da contribuição que a arborização urbana tem para as mudanças climáticas, ainda mais numa cidade sem verde que é Pelotas. Mas isso fica para outra oportunidade. Nesse momento o desejo é que se pense na necessidade posta para que Pelotas crie sua Política Municipal de Mudanças e se prepare para utilizar os instrumentos do Protocolo de Kioto mas, mais do que isso, seja ícone pela qualidade de vida.

This entry was posted in Clima. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>